quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Argemiro vs Chico e Vinícius


Certa vez apresentaram Argemiro Patrocínio a Chico Buarque e Vinícius de Morais.
Ao ser apresentado como compositor, Chico e Vinícius pediram que ele compusesse algo sobre uma garrafa de cerveja que estava em cima da mesa.
Seu Argemiro, no alto da sua simplicidade, disse que não poderia compor pois não sentia nada pela garrafa.

Passado o encontro, Argemiro estava em casa e compôs isso:



Minha inspiração
(Argemiro)

Quando ouvirem os meus sambas
Vão perguntar talvez
Vão querer saber do meu passado
Que as minhas letras são de apaixonado
Outro gênero não tem vez
Eu direi vocês estão enganados
Não faço sambas fabricados
Compreendendo vão me dar razão
Somente escrevo o que sinto
Falo a verdade e não minto
Culpada é a minha inspiração

Já procurei escrever de outro jeito
Nada saía perfeito
Porque não estava em mim
Não adianta forçar a minha natureza
Se o melhor do samba é a sua pureza
E eu forçando seria meu fim


Atualizado em 15/03
Com os cumprimentos de Edinho, que me passou esse novo áudio.

3 comentários:

Vicente disse...

Salve, Artur. Inclusive eu gosto muito do samba do Paulinho da Viola chamado "quando o samba chama", que nos remete ao raciocínio do Mestre Argemira. se liga nesta segunda:

"Solidão é a sombra maior entre a gente
Se algum pensamento que vem não seduz
O poeta declina
Daquilo que ele não sente
E o silêncio é o peso que ele conduz
Mas se o tempo se acha no Sol do poente
E do céu se retira um pedaço do azul
O poeta ressurge
E lança no ar a semente
E reparte feliz a sua luz"

Vicente disse...

Perdão, escrevi errado o nome do mestre. Mas conserto: Mestre Argemiro.

Léo Guedes disse...

só não colocasse que quem levou ele e quem levou a musica depois foi o Paulinho da Viola