segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Salve, Nelson Cavaquinho!

Texto magnífico do meu mestre Dôga, publicado originalmente no seu blog, em 29 de outubro, com o título "É feliz quem já viveu aflito..", que eu copio na maior cara de pau e assino embaixo.


"É feliz quem já viveu aflito..
e hoje tem a vida sossegada
Muita gente tem o corpo tão bonito mas tem a alma toda tatuada"

Hoje, dia 29 de outubro, comemoramos 99 anos do nascimento de um mito, um poeta, boemio, um excepcional compositor, que, na minha opinião, está entre os quatro maiores sambistas da história - e não é pelo fato de ele participar do disco "Os 4 grandes do Samba".

Falo de Nelson Antônio da Silva, o Nelson Cavaquinho.

Suas músicas me fascinam, me consomem, acho que pelo fácil entendimento e tamanha sintonia entre letra e melodia. Acho fantástico os temas utilizados pelo Mestre, como as coisas simples da vida, o passado, a saudade, o violão, o bar, mulheres, traição, solidão, botequins e, até mesmo a morte. Não há nada mais direto e realista do que suas letras.
E a simplicidade está também nas melodias, o que pra mim, é um grande exemplo do que é o gênero musical Samba, bom e verdadeiro.
Os Sambas de Nelson parecem brotar da alma, e refletem bem aquilo que ele sente (sentia, muitos diriam).

Nelson "melancólico" Cavaquinho é modesto e sem igual. É diferente de tudo e todos e sem dúvida muito importante para a história da nossa música.

Ele me fez entender meus pensamentos de que o Samba é "ralé", é comum e não precisa de frescuras mais. E que pra ser sambista não se precisa de quase nada ou nada, basta ser.

O saúdo hoje Mestre!! E meu hoje é todos os dias, principalmente os que não durmo.

3 comentários:

Pétala disse...

Isso sim é conteúdo digno de publicação!
Coisa fofa, cheia de "frufru", na net não me apetece e tenho certeza que a muita gente também não.

É isso mesmo Sr. presidente, continuemos! Esse "Cantinho" pauta muita gente por ai!

Rosa Helena
rosahelenasouza.blogspot.com

Samira Moratti disse...

Muito bacana quando se devota amor a um determinado segmento, como você e seu amigo em relação ao samba. Uma relação onde a sinceridade e o amor incondicional perseveram.
Bonito texto.
Abs.
Samira

Silvestre Lacerda disse...

Só tenho uma coisa a dizer: "Versão Brasileira Herbert Richard"