sábado, 22 de março de 2008

O maior sambista de Florianópolis

Ele não existe.

Estou ficando farto dessas briguinhas entre um e outro.
Alguém não pode ver outro alguém se dando bem, que já cresce o olho e tenta derrubar.
Ao invés de ficar feliz com o sucesso alheio, tenta mostrar que o outro não é tão bom assim. Coisa de quinta série.

É por essas e outras que o samba de Floripa não evolui como merece.
Melhor dizendo...
É por essas e outras que o samba de Floripa não evolui. Merece. Culpa dos próprios sambistas.

Tanto grupo bom, tanta carreira solo boa, e fica esse jogo de perna, um dando rasteira no outro.
Não sei se é incapacidade de fazer "melhor", medo de perder o "posto", inveja... ou sei lá o que.

Cada um tem a sua praia, a sua escola... então fiquemos cada um na sua, mas com alguma coisa em comum: o Samba.

Um dia um jornalista chegou em mim e sugeriu que o tema do meu TCC fosse essa briga que existe entre os sambistas de Florianópolis.
Eu recusei na hora. O samba em Florianópolis existe há uns 30 anos, sempre houve briga, todos sabem que há, sabem o motivo, e nunca ninguém falou nada. Não serei eu o primeiro.
Hoje já não penso assim.


E o povo canta: "Chega de demanda, chega! Com este time temos que ganhar! Somos da Estação Primeira. Salve o morro de Mangueira!" (Cartola)

Um comentário:

Dôga disse...

Artur...
todos tem o direito de opinar, criticar, e falar do outro.
O problema é quando os argumentos não são válidos, ou são muito pobres. E a intenção é a de apenas prejudicar o outro.
No mais, não se extresse com o que escutas por aí, tire tuas conclusões e espera que tudo e resolve.
Agora estamos falando de samba, sambistas... há tantos que dizem ser e defender e mal respeitam o necessário: a origem, o princípio do samba, o "mais velho".
Axé O!