sexta-feira, 17 de junho de 2016

Causa mortis: amor. Ou desgosto. Dá quase no mesmo.

No dia 17 de junho, na semana do dia dos namorados, ela foi encontrada morta, pendurada por um fio de teia de aranha, logo abaixo de um suporte de lâmpada. Suicidou-se em virtude de uma desilusão amorosa.

Segundo testemunhas, que não querem se identificar por medo, a Traça mantinha relações com o Cupim já há alguns dias. Eles dizem que ela era apaixonada pelo corpo esbelto dele.

Infelizmente, o motivo que atraía a Traça também a traía. O corpo esbelto do Cupim também chamava a atenção de outras espécimes.


Cupim era um ser realmente admirável. Com suas asas imponentes e seus dentes extremamente fortes, tinha fácil acesso a todos os ambientes. Era temido por uns, respeitado por outros, amado por todas. Por onde passava provocava os suspiros delas. Até de algumas aranhas.

Cupim gostava de frequentar os ambientes aéreos. Conversava muito com os mosquitos. Até participava das jogatinas deles. O mosquito Aedes, o patrão da área, lhe tinha muito respeito e fazia vista grossa para algumas de suas investidas. Dizem até que Cupim teria arrastado uma asa pra uma das irmãs de Aedes. Um dia Cupim conheceu Traça, e a deixou subindo pelas paredes.

Traça era bonita e jovem, ainda iria desenvolver muito, e tinha um futuro brilhante pela frente. Não fosse esse intempérie no caminho. Filha de uma família nobre, foi blindada pelos pais sobre os perigos da vida. Talvez por medo de que algo ruim pudesse acontecer. Ironicamente, talvez justamente essa blindagem a tenha matado.

Sem conhecer os amargos da vida, seu primeiro amor foi justamente o Cupim, um ser livre, que andava por todos os ambientes. Não havia condições da Traça acompanhar o ritmo acelerado do Cupim. E nem do Cupim esperar pela Traça. Sendo assim, seus encontros eram casuais. A Traça subindo pelas paredes e o Cupim voando.

Mesmo com um amor tão incomum, a Traça acreditava que podia dar certo. Até que descobriu a verdade sobre seu affair, da pior forma possível, quando o flagrou com uma formiga. E o safado nem fez questão de desmentir. Quanto maior a árvore, maior a queda. E o Cupim era o maior para a Traça.

Ela traçou um plano. Iria mostrar a todos o que um amor não correspondido pode fazer. Depois disso, ela tinha certeza que ninguém mais iria querer ficar com o Cupim. Sabendo de suas constantes visitas nas partes mais altas, falou com uma aranha, que conhecia bem o Cupim, e combinou que ela deixaria uma teia “esquecida” no suporte da lâmpada.

Ninguém acredita que a Traça tenha conseguido alcançar a lâmpada sozinha. É muito longe e de difícil acesso para quem não tem asas. Mas a força de um desamor está fora das nossas imaginações. Se o amor tem poder, o desamor, o desgosto, a vergonha, a raiva, tem muito mais.

No dia e horário de maior movimento, quando estavam todos (mosquitos, cupins, aranhas, mariposas, até uma abelha apareceu), jogando, conversando, se divertindo, aparece a Traça. Foi um silêncio sepulcral. Primeiro o espanto pelo aparecimento de uma traça tão jovem. Isso nunca tinha acontecido antes. Segundo porque era a Traça que o Cupim já tinha traçado. E somente ele.

Sem rodeios, ela atravessa o suporte todo. Já com os olhos rasos d’água. Cansada da viagem, abatida da traição e desgostosa da vida. Passa por todos como se não existisse ninguém. Se amarra no fio da teia e se joga. Foi possível ouvir o grunhido do fio se esticando. E nada mais.

O local ficou completamente abandonado até que o corpo da Traça foi retirado. Passado um tempo, o ambiente voltou a ser frequentado, aos poucos. A vida continuou. O Cupim nunca mais foi visto. Uns dizem que ele perdeu suas asas e se enfiou num buraco qualquer. Outros dizem que ele voou pra outro local. Dizem até que ele morreu. São várias as versões. Nenhuma certeza.

Hoje, ninguém mais lembra dele. Nem dela.

2 comentários:

Vicente disse...

Arthur, esse Sr. Cupim, por acaso tem barba e apareceu na TV?

Bruno Chaves disse...

Esta tragédia artrópode me lembrou um samba do Adoniran Barbosa, as Mariposa.