sexta-feira, 2 de julho de 2010

Andar de madrugada

Foi só eu sair do ônibus Madrugadão que ele veio atrás de mim.
Ele já estava na rua, apenas esperando um alvo.
Olhos fixos, passos firmes, destino traçado: Eu.

Quando percebi sua presença, ele já estava a poucos passos de mim.
Olhei pra trás rápido. O coração bateu acelerado. Ele fingiu que não era com ele e desviou a rota para meu lado esquerdo. Disfarçou. Cheirou um lixo qualquer. Aí eu percebi que não era um cão bravo.

Esse jovem rapaz me seguiu por todo o trajeto do ponto de ônibus até em casa (o Madrugadão não para perto).

Acho que ele estava mais desocupado do que eu.

Esse é um dos seres que habitam a madrugada que eu falei aqui, em outra oportunidade.

Fui obrigado a tirar uma foto junto com ele.

4 comentários:

Jorge Jr. disse...

Ei, devolva o meu cachorro!

Tem uma criança que não come, não dorme, só chora com saudades do pequeno Scooby.

Ladrão!

Silvestre disse...

Nenhuma aspas para uma declaração do personagem? Que jornalismo é esse? não, não.

Sandro Batista disse...

Vim dar uma olhada no seu blog por indicação do Daniel, que tem um blog dedicado à música, e para minha surpresa, dou de cara com esse post, que só podia vir de um autêntico sambista: falar da madrugada, da sua simplicidade, e de seus personagens...heheheheheheh

Muito bom...

http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

Visita lá...

Pétala disse...

Um espião que te amava:P